sexta-feira, 8 de outubro de 2010

Judiciário, candidaturas e o papel da imprensa brasileira: o caso das eleições majoritárias de 2010

A análise de um vídeo obtido com câmera oculta mostra os principais órgãos da imprensa escrita brasileira, Folha de S.Paulo, O Estado de S.Paulo e a revista Veja em pleno trabalho de produzir informação independente, objetiva e apartidária, nas eleições presidenciais de 2010. Quando viram ameaçada a sagrada liberdade de imprensa, apelaram para o juízo de Sir Gilmar Mendes de Camelot. A câmera oculta flagra o exato momento em que um candidato careca à presidência (não dá pra ver a careca, infelizmente) telefona para Sir para dar sua contribuição decisiva. Assista com exclusividade o vídeo bomba:



Monty Phyton e o Cálice Sagrado, de 1975 (http://www.imdb.com/title/tt0071853/)

Não deixe de ver a página anti-boatos de Dilma.

3 comentários:

  1. Ainda sobre boatos, veja esse excelent post, dica do Idelber:
    técnica infalível para não divulgar boatos
    http://cynthiasemiramis.org/2010/10/06/tecnica-infalivel-para-nao-divulgar-boatos/

    ResponderExcluir
  2. CARTA ABERTA A DOM DEMETRIO
    Querido dom Demétrio
    Quero publicamente agradecer-lhe as suas palavras esclarecedoras sobre a manipulação da religião católica no final da campanha eleitoral pela difusão de uma mensagem dos três bispos da comissão representativa do regional Sul I da CNBB condenando a candidata do atual governo e proibindo que os católicos votem nela. Graças ao senhor, sabemos que essa divulgação do documento da diretoria de Sul 1 não foi expressão da vontade da CNBB, mas contraria a decisão tomada pela CNBB na sua ultima assembléia geral, já que esta tinha decidido que os bispos não iam intervir nas eleições. Sabemos agora que o documento dos bispos da diretoria do regional Sul 1 foi divulgado no final de agosto, e durante quase um mês permaneceu ignorado pela imensa maioria do povo brasileiro. Agora, dois dias antes das eleições, um grupo a serviço da campanha eleitoral de um candidato, numa manobra de evidente e suja manipulação, divulgou com abundantes recursos e muito barulho esse documento, criando uma tremenda confusão em muitos eleitores. Pela maneira como esse documento foi apresentado, comentado e divulgado, dava-se a entender que o episcopado brasileiro proibia que os católicos votasse nos candidatos do PT e, sobretudo na sua candidata para a presidência. Dois dias antes das eleições os acusados já não podiam mais reagir, apresentar uma defesa ou uma explicação. Aos olhos do público a Igreja estava dando o golpe que sempre se teme na véspera das eleições, quando se divulga um suposto escândalo de um candidato. Era um golpe sujo por parte dos manipuladores, já que dava a impressão de que o golpe vinha dessa feita da própria Igreja.(...)
    (continua em: http://www.advivo.com.br/node/224213 )

    ResponderExcluir
  3. Mais! Mais! Mais! Eu adoro parábolas...

    ResponderExcluir